segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Top 3 cenas musicais memoráveis em séries


É isso mesmo, preparei agora mais um “Top x qualquer-coisa” pra vocês. Sim, eu sei que vocês não aguentam mais esse tipo de post, mas dessa vez é sobre as melhores cenas musicais de séries. Aposto que vocês vão gostar.

Ah, só um aviso antes que você comece a ler: não gosto de séries musicais propriamente ditas, então não espere encontrar algo como Glee aqui. Além disso, não são cenas em que personagens cantam músicas, mas sim que músicas famosas tocam ao fundo delas. Pronto, avisos dados, vamos assisti-las.

3 – Livin’ On A Prayer – Everybody Hates Chris 



A última cena de Todo Mundo Odeia o Chris é também uma das mais legais de toda a série. Ao som de Livin’ On A Prayer, do Bon Jovi, Chris e sua família esperam o resultado da prova que decidirá o futuro do nosso odiado protagonista. A cena (e também a série) termina no momento em que Julius chega com o resultado, sem que fiquemos sabendo qual é. Vale muito a pena ver.

2 – Tom Sawyer – Chuck



Chuck era um seriado incrivelmente legal. Conseguia unir (de forma genial) duas coisas que pareciam opostos naturais: o mundo da espionagem e o mundo nerd do qual o protagonista fazia parte. E uma das cenas mais memoráveis da série é quando o Chuck joga um game arcade enquanto ao fundo era tocada a música Tom Sawyer, do Rush.

1 – Carry On My Wayward Son – Supernatural 

(Clique aqui para ver o vídeo dessa cena. É que não encontrei NENHUM vídeo dela no Youtube que a incorporação estivesse liberada.)

Ao final de qualquer season finale de Supernatural tem uma retrospectiva de toda a temporada embalada pela música Carry On My Wayward Son, do Kansas. . Como são muitos desses momentos, resolvi escolher o que eu acho o melhor “The Road So Far” da história da série: o da quinta temporada.

Espero que tenham gostado da lista. E se vocês conhecem outros momentos assim em seriados legais falem aí nos comentários.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Eu assisti: (500) Dias Com Ela



Esse é um filme que sempre quis assistir, pois sempre ouvi coisas boas sobre ele. Esperava uma comédia romântica totalmente diferente das outras quando fui vê-lo, e foi isso que encontrei.

O filme já começa explicando que não é uma história de amor, e foi a partir daí que ele me ganhou. Depois disso foi fácil rir e mergulhar na incrível história dele.

Vou fazer um resumo dela: Tom acabou de se separar da sua namorada, Summer. Acontece que ela é uma pessoal incrível, e ele é perdidamente apaixonado por ela e pelo jeito dela. Então ele começa a lembrar das coisas mais importantes que viveu junto dela.

Uma das coisas mais legais do filme é que essas lembranças são jogadas pra nós que estamos assistindo fora de ordem, de forma não linear. Em uma cena podemos ver os dois em um momento em que a relação já está “fria”, e logo depois ver eles em momentos de grande felicidade.

Não posso deixar de comentar que me identifiquei muito com o protagonista Tom. Ele é um cara legal, mas bem inseguro às vezes, o que o torna mais humano.

E o final? Simplesmente genial. Foi incrível como o filme conseguiu mostrar um romance que poderia realmente acontecer, não uma história totalmente clichê que com dois minutos de filme você já sabe de tudo o que vai acontecer.

Esse é sem dúvida um dos filmes mais legais que eu já vi. Totalmente recomendado para você que quer ver algo diferente do que a grande maioria dos filmes do gênero apresenta.

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Saint Seiya: Next Dimension Vol. 1 [Impressões]


Como alguns de vocês devem saber, eu sou muito fã de Saint Seiya (ou Os Cavaleiros do Zodíaco, como o anime é conhecido no Brasil).  Desde criança sempre gostei das aventuras dos defensores de Athena, e a partir de 2009 comecei a comprar volumes aleatórios de Lost Canvas (que é uma espécie de spin-off do mangá original, se passando mais de 200 anos no passado).

E em julho do ano passado, junto com o anúncio de Bakuman (outro mangá que adoro), a JBC comunicou que iria trazer outro spin-off de CDZ: Next Dimension. Ele começou a ser lançado em agosto, mas aqui em Sergipe mangás e HQs costumam ter problema com a distribuição (a Panini que o diga) e então só achei o volume 1 nas bancas agora em janeiro.

Logo quando se folheia o mangá nota-se uma grande diferença da maioria dos outros: ele é totalmente colorido. Isso dá charme a mais nele, e a JBC manteve assim na publicação brasileira. Infelizmente isso reflete no preço do mangá, fazendo com que ele custe 14, 90.

Logo que comecei a ler a história não me agradou muito (acho que porque estava acostumado a ler as aventuras de Tenma e companhia pelas mãos da Shiori Teshirogi), mas logo depois eu comecei a gostar dela.

Aliás, vale um pouco comentar sobre ela: a premissa é muito parecida com a de Lost Canvas, mas com a diferença de que aqui passado e futuro do universo criado por Masami Kurumada se cruzam constantemente.

E é isso, fora a história que demorou pra me cativar, eu gostei bastante. Além de contar a história da Guerra Santa do passado Next Dimension continua a história da era de Seiya (de um jeito diferente do visto no filme Prólogo do Céu), e isso é bem legal.

Tenho certeza que nos próximos a história melhorará ainda mais, e eu vou tentar acompanhar o mangá.