segunda-feira, 14 de novembro de 2011

TH1RT3EN [Resenha]


Fico impressionado com a velocidade que o Megadeth lança seus discos. Geralmente num espaço de tempo de dois anos (e, na minha opinião, todas as bandas deviam lançar nesse espaço de tempo também).

Dave Mustaine está tão bem tanto na guitarra, quanto no vocal (muita gente reclama da voz dele, mas acredito que o vocal dele é o melhor pro Megadeth, o que mais se encaixa). E é incrível como ele sabe escolher bem os músicos que fazem parte de sua banda.

O álbum não deixa a desejar nada para os clássicos da banda, e continua o ótimo trabalho do antecessor Endgame. Ele tem algumas regravações, mas que combinam perfeitamente com o clima das músicas novas.

Já percebeu que o disco é bom, né? Mas pra não perdemos o costume veja a análise de música por música:


Sudden Death

A faixa que abre o CD já vem cheia de peso e velocidade. Sua parte instrumental é realmente muito boa, e o desempenho vocal do Mustaine é uma qualidade a mais. Seu solo é muito longo, mas é de impressionar, pois ele tão bem composto que ao invés de se tornar chato ou cansativo pelo seu tamanho ele se torna extremamente bom.


Public Enemy No. 1

A melhor do álbum. Tem um ótimo riff. Dá vontade de cantar junto quando se escuta ela, principalmente no refrão. O segundo solo é muito bom e por causa do clipe eu não consigo evitar de pensar em macacos com metralhadoras toda vez que o escuto.


Whose Life (Is It Anyways?)

O riff é veloz e, como na música anterior, dá muita vontade de cantar junto sua letra. O solo me agradou bastante. É uma das mais legais do disco, e é muito boa pra se tocar num show.


 We The People

Ótimo riff. O vocal do Mustaine combina perfeitamente com ele. Seu solo é um pouco mais lento que o das músicas anteriores, mas ele é muito bom mesmo assim.


Guns, Drugs , & Money

Tem um bom trabalho na parte instrumental e um solo curto, mas bem legal. O desempenho vocal do Mustaine também é muito bom.


Never Dead

Faixa criada pro jogo de mesmo nome. Tem um ótimo riff, bem rápido e pesado. Gosto do seu refrão. Uma das melhores do álbum.


New World Order

É uma regravação da música gravada como demo pro Youthanasia. Tem um riff grudento, mas muito bom. Ótima adição ao disco.


Fast Lane

Ótimo trabalho de guitarra. Tem riff muito veloz e inspirado, e gostei do desempenho vocal do Mustaine nela. Não sei por que, mas sinto que essa música poderia se encaixar bem no United Abominations ou no Endgame.


Black Swan

Já começa bem veloz e tem um riff igualmente rápido e muito bom. Tem uma ótima letra, bem no estilo 
Megadeth mesmo.


Wrecker

Gostei muito do seu riff veloz e pesado e de seu refrão. Ótimo solo.


Millennium Of The Blind

Mais uma regravação do Youthanasia, mas essa versão foi estendida. É uma ótima balada, com um riff muito bom e uma letra muito legal.


Deadly Nightshade

Tem um riff bem legal, um refrão grudento (mas muito bom) e um solo muito inspirado.

  
13

Essa é 13, 13ª faixa do 13º álbum do Megadeth. Mas isso você já tinha percebido. Ela é uma balada com um riff lento e agradável e em contrapartida um solo bem veloz. Adorei sua letra, que conta a relação do Mustaine com o número treze. A parte que diz “At thirteen I started down this path, Fueled with anger, music was my wrath, Years of clawing at scars that never healed, Drowning my mind, the thoughts are too real” é simplesmente demais. Uma ótima música que fecha muito bem o álbum.


O TH1RT3EN tem a cara, velocidade dos arranjos e as letras do Megadeth que tanto adoramos. Todos esperavam um ótimo álbum, e foi isso que o Mustaine (e o resto da banda, claro) nos entregou.

0 comentários:

Postar um comentário